30 de jun. de 2020


Territórios negros e as memórias dos bairros de 
Porto Alegre: um primeiro olhar sobre as fontes do 
Arquivo Histórico Moysés Vellinho

THIAGO FRAZZON AREND

O Arquivo Histórico de Porto Alegre (AHPAMV) é um excelente lugar para aqueles que desejam investigar sobre a história dos bairros da cidade. Seja através da biblioteca, seja por meio dos documentos guardados na reserva técnica, o arquivo mantém uma coleção significativa de sínteses sobre a formação e história desses bairros, além de mapas, plantas e reportagens representando suas regiões e versando sobre acontecimentos diversos que ali tenham tomado lugar. Não é à toa que uma considerável parte dos visitantes que o Arquivo recebe venham justamente à procura deste tipo de pesquisa de caráter mais local: pesquisa-se um bairro, uma rua, um lugar específico da cidade ou de sua região metropolitana.
Os mapas e plantas são fontes importantes para se aproximar da história local da cidade. Com o conjunto de mapas disposto na mapoteca do AHPAMV podemos entrar em contato com a geografia da cidade, os nomes das ruas e dos bairros e a organização espacial deles. Outra vantagem em se utilizar essas fontes é a possibilidade de se analisar tudo isso em vários momentos históricos distintos, percebendo-se a evolução da dinâmica urbana na cidade ao longo do tempo. O aspecto que torna interessante o estudo dos mapas dentro da história é a possibilidade de compreender como a geografia condiciona e molda as relações sociais e como estas modificam o espaço. Muitos aspectos sociais e espaciais mudaram na cidade desde o começo do seu povoamento, em fins do século XVIII, basta que os profissionais ligados à história saibam fazer as perguntas certas para que possam, então, descobrir um universo de possibilidades de pesquisa.


Planta de Porto Alegre de 1896. Fonte: Projeto Cartografia Histórica de POA - IHGRS

Dentre as diversas pessoas que utilizaram, entre as fontes de sua pesquisa, os mapas e as plantas de Porto Alegre guardados no AHPAMV, podemos destacar Daniela Machado Vieira, mestre e doutorando do Programa de Pós-Graduação em Geografia, ligado à Universidade Federal do Rio Grande do Sul (POSGEA - UFRGS). O trabalho intitulado “Territórios Negros em Porto Alegre/RS (1800-1970): geografia histórica da presença negra no espaço urbano”, defendido em 2017, rendeu diversos prêmios à Daniela, entre eles o XI Prêmio Brasileiro “Política e Planejamento urbano de dissertação de mestrado, além da “Menção Honrosa de Dissertação do Prêmio Maurício de Almeida Abreu”.
Daniela reconhece como território negro o “espaço físico e simbólico configurado a partir da função (de habitação, trabalho, lazer etc.) e/ou de práticas culturais (como o batuque, o carnaval, a religiosidade etc.) exercidas por mulheres e homens negros, cuja significação é construída a partir da presença negra e/ou das atividades desenvolvidas por estes” (VIEIRA, D. M., 2017). O trabalho da autora é fundamental no sentido de trazer à tona uma cartografia desses territórios, mostrando a presença, desde pelo menos o início do século XIX, de famílias negras em muitos espaços da cidade, principalmente naqueles onde hoje se pretende apagar e mascarar essa ocupação e participação cotidiana anterior.
O trabalho também leva em consideração que os mapas não podem ser vistos e tomados como fontes “mortas” e “frias”, à espera de uma leitura simples e direta. Pelo contrário, os mapas são construções políticas e, segundo a autora, houve tentativas pontuais em se apagar ou obstruir a imagem da população negra em Porto Alegre, começando pela própria falta de representação direta na representação cartográfica: até a conclusão da dissertação, não havia mapas mostrando exatamente a localização desses territórios, os quais foram mapeados por Daniela em sua pesquisa.

Região de Porto Alegre conhecida como “Ilhota”. Fonte:


São alguns dos territórios que foram mapeados pela autora: a região dos Mercados (Largo da Quitanda e Praça Paraíso), a Irmandade do Rosário, a Rua do Arvoredo, o Beco do Poço, uma parte da Várzea, o Areal da Baronesa, a Ilhota, a Colônia Africana e o Mont’Serrat. A maioria desses espaços teve seu nome modificado ao longo do tempo, talvez com o intuito de deixar de lado a história atrelada à antiga nomenclatura, de modo que, se o pesquisador não tem um olho já treinado, fica difícil encontrar o espaço no mapa com rapidez. Além disso, a maioria desses locais e bairros teve episódios de remoção compulsória de seus moradores, os quais foram sendo realocados cada vez mais para as zonas periféricas da cidade. Esse processo, no qual as populações de menor renda são afastadas das áreas centrais das cidades e movidas para as partes periféricas, o qual não deixou de existir com o passar dos anos, é aquilo que os geógrafos caracterizam como gentrificação.


De fato, estudar os mapas e plantas de Porto Alegre é também perceber, ao longo do tempo, estas migrações a que muitas famílias se veem obrigadas a realizar, algumas vezes inclusive por meio de força. Olhar os mapas, com o auxílio de senso crítico, permite visualizar essas pessoas em seus contextos geográficos, sociais e econômicos originais, entendendo os argumentos políticos que foram utilizados para dar conta desses translados, os quais quase sempre envolvem o imperativo do capital.


Referências
VIEIRA, Daniela Machado. Territórios Negros em Porto Alegre/RS (1800-1970): Geografia-histórica da presença negra no espaço urbano. 2017. 189 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

Acesse o link https://www.facebook.com/arquivohistoricopoa/


0 comentários:

Postar um comentário

 

© 2009AHPAMV | by TNB