18 de mai de 2011

PESQUISA X CONSERVAÇÃO
- um diálogo possível –
Toda instituição voltada para preservação de documentos históricos estabelece parâmetros para guarda e conservação de seu acervo. Toda instituição que toma a si a responsabilidade de preservar a história de uma comunidade tem como missão disponibilizar, divulgar, expor para o público esse manancial de conhecimento e informações.


O Arquivo Histórico de Porto Alegre, cumprindo seu papel de veículo para o conhecimento e exercício da cidadania, mantém um amplo e profícuo diálogo com diversos pesquisadores, atendendo desde o público infantil ao pesquisador renomado. E, para garantir que esse diálogo continue fluindo ao longo dos tempos é que o Arquivo Histórico tem a preocupação de assegurar que seu acervo seja preservado.


As ações preventivas têm por base o estudo e diagnóstico da Instituição como um todo, analisando-se todos os fatores e agentes que causam deterioração. Os agentes destrutivos podem ser inerentes ao próprio papel, provocando sua autodegradação e por agentes extrínsecos, provocando danos de natureza física, química e biológica. Além desse agentes, um capítulo à parte como agente predador está o ser humano, capaz dos maiores atos de vandalismo,intencionais ou por desconhecimento.


Na época atual, existe uma maior conscientização das responsabilidades individuais e sociais, por isso o movimento que se estabelece entre o uso e a preservação de bens patrimoniais se torna possível, posto que tanto a Instituição quanto o usuário buscam o exercício da cidadania, auxiliando-se mutuamente na conservação e preservação do acervo documental, não permitindo que se perca o registro das trajetórias, dos desafios, dos símbolos, imagens e representações que permearam a construção social de sua comunidade.

Exemplo de documento guardado no Arquivo Histórico, em ambiente controlado
Ata do Centro Abolicionista - 07 set. 1884


Livro contendo a Ata do Centro Abolicionista






PESQUISA X CONSERVAÇÃO
- um diálogo possível –


Toda instituição voltada para preservação de documentos históricos estabelece parâmetros para guarda e conservação de seu acervo. Toda instituição que toma a si a responsabilidade de preservar a história de uma comunidade tem como missão disponibilizar, divulgar, expor para o público esse manancial de conhecimento e informações.
O Arquivo Histórico de Porto Alegre, cumprindo seu papel de veículo para o conhecimento e exercício da cidadania, mantém um amplo e profícuo diálogo com diversos pesquisadores, atendendo desde o público infantil ao pesquisador renomado. E, para garantir que esse diálogo continue fluindo ao longo dos tempos é que o Arquivo Histórico tem a preocupação de assegurar que seu acervo seja preservado.
As ações preventivas têm por base o estudo e diagnóstico da Instituição como um todo, analisando-se todos os fatores e agentes que causam deterioração. Os agentes destrutivos podem ser inerentes ao próprio papel, provocando sua autodegradação e por agentes extrínsecos, provocando danos de natureza física, química e biológica. Além desse agentes, um capítulo à parte como agente predador está o ser humano, capaz dos maiores atos de vandalismo,intencionais ou por desconhecimento.
Na época atual, existe uma maior conscientização das responsabilidades individuais e sociais, por isso o movimento que se estabelece entre o uso e a preservação de bens patrimoniais se torna possível, posto que tanto a Instituição quanto o usuário buscam o exercício da cidadania, auxiliando-se mutuamente na conservação e preservação do acervo documental, não permitindo que se perca o registro das trajetórias, dos desafios, dos símbolos, imagens e representações que permearam a construção social de sua comunidade.





Ata do Centro Abolicionista






; Livro contendo a Ata de 07 set. 1884





Reserva Técnica do Arquivo HIstórico,com ambiente controlado




























PESQUISA X CONSERVAÇÃO
- um diálogo possível –


Toda instituição voltada para preservação de documentos históricos estabelece parâmetros para guarda e conservação de seu acervo. Toda instituição que toma a si a responsabilidade de preservar a história de uma comunidade tem como missão disponibilizar, divulgar, expor para o público esse manancial de conhecimento e informações.
O Arquivo Histórico de Porto Alegre, cumprindo seu papel de veículo para o conhecimento e exercício da cidadania, mantém um amplo e profícuo diálogo com diversos pesquisadores, atendendo desde o público infantil ao pesquisador renomado.
E, para garantir que esse diálogo continue fluindo ao longo dos tempos é que o Arquivo Histórico tem a preocupação de assegurar que seu acervo seja preservado.
As ações preventivas têm por base o estudo e diagnóstico da Instituição como um todo, analisando-se todos os fatores e agentes que causam deterioração. Os agentes destrutivos podem ser inerentes ao próprio papel, provocando sua autodegradação e por agentes extrínsecos, provocando danos de natureza física, química e biológica. Além desse agentes, um capítulo à parte como agente predador está o ser humano, capaz dos maiores atos de vandalismo,intencionais ou por desconhecimento.
Na época atual, existe uma maior conscientização das responsabilidades individuais e sociais, por isso o movimento que se estabelece entre o uso e a preservação de bens patrimoniais se torna possível, posto que tanto a Instituição quanto o usuário buscam o exercício da cidadania, auxiliando-se mutuamente na conservação e preservação do acervo documental, não permitindo que se perca o registro das trajetórias, dos desafios, dos símbolos, imagens e representações que permearam a construção social de sua comunidade.

Reserva técnica do Arquivo Histórico,com ambiente controlado




Ata do Centro Abolicionista



Capa do livro contendo a Ata de 07 set. 1884,do Centro Abolicionista





PESQUISA X CONSERVAÇÃO
- um diálogo possível –


Toda instituição voltada para preservação de documentos históricos estabelece parâmetros para guarda e conservação de seu acervo. Toda instituição que toma a si a responsabilidade de preservar a história de uma comunidade tem como missão disponibilizar, divulgar, expor para opúblico esse manancial de conhecimento e informações.
O Arquivo Histórico de Porto Alegre, cumprindo seu papel de veículo para o conhecimento e exercício da cidadania, mantém um amplo e profícuo diálogo com diversos pesquisadores, atendendo desde o público infantil ao pesquisador renomado.
E, para garantir que esse diálogo continue fluindo ao longo dos tempos é que o Arquivo Histórico tem a preocupação de assegurar que seu acervo seja preservado.
As ações preventivas têm por base o estudo e diagnóstico da Instituição como um todo, analisando-se todos os fatores e agentes que causam deterioração. Os agentes destrutivos podem ser inerentes ao próprio papel, provocando sua autodegradação e por agentes extrínsecos, provocando danos de natureza física, química e biológica. Além desse agentes, um capítulo à parte como agente predador está o ser humano, capaz dos maiores atos de vandalismo,intencionais ou por desconhecimento.
Na época atual, existe uma maior conscientização das responsabilidades individuais e sociais, por isso o movimento que se estabelece entre o uso e a preservação de bens patrimoniais se torna possível, posto que tanto a Instituição quanto o usuário buscam o exercício da cidadania, auxiliando-se mutuamente na conservação e preservação do acervo documental, não permitindo que se perca o registro das trajetórias, dos desafios, dos símbolos, imagens e representações que permearam a construção social de sua comunidade.






PESQUISA X CONSERVAÇÃO
- um diálogo possível –


Toda instituição voltada para preservação de documentos históricos estabelece parâmetros para guarda e conservação de seu acervo. Toda instituição que toma a si a responsabilidade de preservar a história de uma comunidade tem como missão disponibilizar, divulgar, expor para o público esse manancial de conhecimento e informações.
O Arquivo Histórico de Porto Alegre, cumprindo seu papel de veículo para o conhecimento e exercício da cidadania, mantém um amplo e profícuo diálogo com diversos pesquisadores, atendendo desde o público infantil ao pesquisador renomado.
E, para garantir que esse diálogo continue fluindo ao longo dos tempos é que o Arquivo Histórico tem a preocupação de assegurar que seu acervo seja preservado.
As ações preventivas têm por base o estudo e diagnóstico da Instituição como um todo, analisando-se todos os fatores e agentes que causam deterioração. Os agentes destrutivos podem ser inerentes ao próprio papel, provocando sua autodegradação e por agentes extrínsecos, provocando danos de natureza física, química e biológica. Além desse agentes, um capítulo à parte como agente predador está o ser humano, capaz dos maiores atos de vandalismo,intencionais ou por desconhecimento.
Na época atual, existe uma maior conscientização das responsabilidades individuais e sociais, por isso o movimento que se estabelece entre o uso e a preservação de bens patrimoniais se torna possível, posto que tanto a Instituição quanto o usuário buscam o exercício da cidadania, auxiliando-se mutuamente na conservação e preservação do acervo documental, não permitindo que se perca o registro das trajetórias, dos desafios, dos símbolos, imagens e representações que permearam a construção social de sua comunidade.







13 de mai de 2011



<

11 de mai de 2011

I Congresso Brasileiro de Paleografia e Diplomática


O evento acontecerá em Campos dos Goytacazes – RJ, de 18 a 20 de maio de 2011 e tem como proposta ser um evento bienal, que congrega arquivistas, pesquisadores, técnicos de arquivo, estudantes de Arquivologia , Letras, História e demais profissionais interessados nas questões que abrangem as informações contidas nos documentos de arquivos, trata das normas para sua transcrição, análise da autenticidade dos documentos e é essencial para os arquivos e a sociedade do conhecimento e da informação. Maiores informações, acesse http://www.paleografia.arquivista.net/o-congresso/



I Congresso Brasileiro de Paleografia e Diplomática

O evento acontecerá em Campos dos Goytacazes – RJ, de 18 a 20 de maio de 2011 e tem como proposta ser um evento bienal, que congrega arquivistas, pesquisadores, técnicos de arquivo, estudantes de Arquivologia , Letras, História e demais profissionais interessados nas questões que abrangem as informações contidas nos documentos de arquivos, trata das normas para sua transcrição, análise da autenticidade dos documentos e é essencial para os arquivos e a sociedade do conhecimento e da informação.Maiores informações, acesse: http://www.paleografia.arquivista.net/o-congresso/

4 de mai de 2011





Anuncia-se


n’O Mercantil.



O acervo de imprensa tem proporcionado aos nossos pesquisadores uma importante fonte de pesquisa. Nas páginas dos jornais, encontramos o cotidiano da Cidade, através de matérias que trazem ricas informações sobre a política do momento, a organização da sociedade e as atividades econômicas predominantes.


O jornal O Mercantil dos meses de julho, agosto e setembro de 1853, único exemplar deste periódico no Arquivo Histórico de Porto Alegre Moysés Vellinho – AHPAMV- é rico em anúncios comerciais. Nestes,em especial, aparece o trabalho dos escravos de aluguel que eram oferecidos para trabalhar em diversas atividades, com profissões específicas como sapateiro, ama de leite, cozinheira, lavadeira entre outras.


A pesquisa nos periódicos cresce a cada dia sendo o acervo mais consultado na Instituição. Ainda este ano, devemos reeditar o Catálogo da Hemeroteca do AHPAMV apresentando as novas aquisições de acervo jornalístico a exemplo do jornal O Mercantil.




 

© 2009AHPAMV | by TNB