30 de jun de 2011

NORMAS PARA USO DOS DOCUMENTOS



O acervo documental sob a guarda permanente do Arquivo Histórico de Porto Alegre Moysés Vellinho está disponível ao público em geral nos horários de atendimento. Para que os documentos sejam preservados e, ao mesmo tempo, acessados, é indispensável o cumprimento de normas de conservação que abrangem,não só cuidados ambientais ( temperatura e umidade controladas) e de arranjo (materiais adequados para guardá-los), como também cuidados de manuseio durante a pesquisa. Por isso, estamos divulgando um manual com normas de uso do material arquivístico, pois a responsabilidade pela preservação documental inclui o usuário.




















NORMAS PARA USO DOS DOCUMENTOS



NORMAS PARA USO DOS DOCUMENTOS

O acervo documental sob a guarda permanente do Arquivo Histórico de Porto Alegre Moysés Vellinho está disponível ao público em geral nos horários de atendimento. Para que os documentos sejam preservados e, ao mesmo tempo, acessados, é indispensável o cumprimento de normas de conservação que abrangem,não só cuidados ambientais ( temperatura e umidade controladas) e de arranjo (materiais adequados para guardá-los), como também cuidados de manuseio durante a pesquisa. Por isso, estamos divulgando um manual com normas de uso do material arquivístico, pois a responsabilidade pela preservação documental inclui o usuário.


























21 de jun de 2011





SISTEMA DE ARQUIVOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE(SIARQ/POA)






...o Arquivo Histórico de Porto Alegre Moysés Vellinho
vem desenvolvendo projeto para reclassificação e reorganização da documentação
...


Dentro do Programa de Implantação do Sistema de Arquivos do Município de Porto Alegre (SIARQ/POA), instituído pelo Decreto Municipal nº 16.798, de 21 de setembro de 2010, o Arquivo Histórico de Porto Alegre Moysés Vellinho vem desenvolvendo projeto para reclassificação e reorganização da documentação permanente produzida e recebida pelo Executivo Municipal.

O período definido para o projeto tem início em 1892, quando, com a instalação da Intendência e por força da primeira Lei Orgânica do Município, o governo passa a ser exercido por um Intendente, o então nomeado Sr. Alfredo Augusto de Azevedo, findando em 1955, quando o Prefeito Manoel Vargas, através da Lei nº 1.413, de 11 de junho, promove uma grande reforma na estrutura administrativa do Município.

Neste processo de reorganização dos documentos, estão sendo redefinidos os fundos, ou seja, as unidades administrativas produtoras/recebedoras desses documentos.
A partir das competências dadas a essas unidades a cada alteração administrativa e do levantamento da documentação existente no período de sua vigência, independentemente de onde esteja localizada, está sendo definido o Plano de Classificação de Documentos – PCD.
O PCD será então aplicado a essa documentação, que sofrerá reclassificação e novo ordenamento, conforme arranjo a ser estabelecido para seu arquivamento. O arranjo obedecerá ao princípio da proveniência ou do respeito aos fundos.

Pretende-se, com esse arranjo dos documentos, dar visibilidade às formas de desenvolvimento do município, propiciadas por cada um dos gestores desse período.

Abaixo, reproduzimos o organograma da Secretaria da Intendência Municipal datado de 1894, no qual podem ser vistas as seções: Engenharia; Higiene e Assistência Pública; Estatística; Contabilidade; Pagadoria e Tesouraria, e a do Contencioso, com suas respectivas competências.




14 de jun de 2011

Obras do acervo da Capela Positivista – em Fase de Descrição




O AHPAMV possui em seu acervo uma coleção de publicações produzidas para propagação da Doutrina Positivista e que foi doada pela Capela Positivista. Este Arquivo vem produzindo um instrumento de pesquisa para estes documentos aplicando a Norma Brasileira de Descrição Arquivística - NOBRADE.









Cerca de 15% deste acervo está em Língua Francesa. No momento, estamos trabalhando nos documentos escritos neste idioma a fim de logo concluirmos o instrumento de pesquisa. A documentação em Francês como o acervo no geral, é composta por boletins, cartas, folhetos e livros escritos por positivistas e cujos expoentes no Brasil são Miguel Lemos e Raimundo Teixeira Mendes.



Por tratar-se de obras que remontam o início do século XX, encontramos algumas dificuldades com a linguagem utilizada, além das questões referentes à compreensão de um outro idioma










O Francês foi muito utilizado pelos intelectuais nas suas discussões teóricas durante o século XIX e início do XX.


Na construção das descrições dos documentos neste idioma, utilizamos ferramentas de idioma do Google, consultas de dicionário online e um dicionário de Francês temporalmente mais aproximado da documentação.
Ainda este ano, devemos concluir a confecção do instrumento de pesquisa da Coleção da Capela Positivista para o nosso público pesquisador.




10 de jun de 2011

O ARQUIVO HISTÓRICO MUNICIPAL E A HISTÓRIA DA CIDADE


“... não são muitos os pesquisadores
da história porto-alegrense,
embora estejam em crescimento
nos últimos tempos.”


Talvez em Porto Alegre, pouca gente saiba o quanto vale o Arquivo Histórico Municipal como repositório de documentos sobre a Cidade. Como a historiografia gaúcha tem-se voltado mais para os fatos políticos e bélicos do Estado como um todo, não são muitos os pesquisadores da história porto-alegrense, embora estejam em crescimento nos últimos tempos.
Tive a satisfação de garimpar informações, durante vários anos, nos livros de atas da Câmara Municipal desde seus primórdios, para escrever meu livro Porto Alegre: guia histórico. Depois, em outras oportunidades, tenho frequentado esse excelente Arquivo, para a elaboração de outros trabalhos, como agora acontece, e sempre fui muito bem atendido pelo seu quadro de funcionários.
O mundo acadêmico, tanto de professores como de alunos, deveria valorizar mais este colossal acervo de documentos da vida porto-alegrense, que se inicia em meados do século 18, com muito boa conservação e organização exemplar


Sérgio da Costa Franco
Historiador

7 de jun de 2011




Visita da Associação de Moradores do Bairro Rubem Berta – AMORB – ao Arquivo Histórico de Porto Alegre Moysés Vellinho



No dia 07 de abril, o Arquivo Histórico recebeu, para uma visita guiada e pesquisa, um grupo de visitantes muito especial: adolescentes do Bairro Rubem Berta.






Participantes de dois projetos da Associação de Moradores, estes vieram conhecer um pouco mais da história da Cidade e de sua região, pois a Associação incentiva o resgate da histórica luta da comunidade por moradia. Uma história que hoje é memória , mas que vai fazer parte das referências destas novas gerações, que as tornarão disponíveis à população através de um informativo e de um documentário.
O Arquivo Histórico Moysés Vellinho sente-se honrado em apoiar o protagonismo dessa entidade que, com suas atividades, fortalece os vínculos comunitários do bairro de forma a torná-lo peça importante da vida social e política de Porto Alegre. Parabéns ao grupo e a toda a comunidade!













Visita da Associação de Moradores do Bairro Rubem Berta – AMORB – ao Arquivo Histórico de Porto Alegre Moysés Vellinho






No dia 07 de abril, o Arquivo Histórico recebeu, para uma visita guiada e pesquisa, um grupo de visitantes muito especial: adolescentes do Bairro Rubem Berta.





Participantes de dois projetos da Associação de Moradores, estes vieram conhecer um pouco mais da história da Cidade e de sua região, pois a Associação incentiva o resgate da histórica luta da comunidade por moradia. Uma história que hoje é memória , mas que vai fazer parte das referências destas novas gerações, que as tornarão disponíveis à população através de um informativo e de um documentário.
O Arquivo Histórico Moysés Vellinho sente-se honrado em apoiar o protagonismo dessa entidade que, com suas atividades, fortalece os vínculos comunitários do bairro de forma a torná-lo peça importante da vida social e política de Porto Alegre. Parabéns ao grupo e a toda a comunidade!






 

© 2009AHPAMV | by TNB