11 de jul de 2012

O porto de Porto Alegre: um símbolo de modernidade


             Mais uma fonte documental se agrega às  estantes do acervo bibliográfico do Arquivo Histórico: a dissertação de  mestrado em Planejamento Urbano e Regional,de Augusto Alves, intitulada A construção do porto de  Porto Alegre:1895-1930 modernidade urbanística como suporte de um projeto de Estado.
 

           Trata-se de um  estudo complexo,que aborda  a  construção do porto como uma síntese histórica  do imaginário da modernização e do progresso  do Rio Grande do Sul e, em especial, de  Porto Alegre,no início do século vinte. Esta era  a visão das administrações positivistas, responsáveis pelos projetos de urbanização deste período.





        

        Além de ser símbolo da visão positivista de progresso, a  construção do porto de Porto Alegre teve razões econômicas(viabilizando o comércio exterior e integrando o Rio Grande do Sul ao circuito comercial brasileiro),higiênicas e estéticas (saneamento e embelezamento da Cidade)É deste período(1914) o Plano de Melhoramentos do Intendente José Montaury que  projetava  o Cais como “um grande equipamento unitário,racionalmente projetado por técnicos especializados e engenheiros competentes”.Esta obra se inseria na tendência  de realizar intervenções urbanas nas margens(no Rio de Janeiro e em  Porto Alegre),construindo portos,modernizando as cidades  e promovendo reformas urbanas.
     E, assim, entrelaçando política, economia, urbanismo, contexto histórico e geográfico,o autor  constrói não só  um estudo sobre o Cais do Porto de Porto Alegre como traça um panorama de uma  época   de hegemonia positivista,com foco no progresso,na modernização,no saneamento e embelezamento urbanos.
   Também para consulta, foi doado para o nosso acervo um cd com  plantas  do projeto de construção do Porto,que fazem parte da dissertação,gentileza do autor  Augusto Alves e da arquiteta Maria Cristina Louzada,que nos trouxe o material.Os originais destas plantas estão na  biblioteca da Superintendência de Portos e Hidrovias(SPH).Agradecimentos especiais ao autor Augusto Alves,que disponibilizou  a dissertação e as plantas digitalizadas, à  arquiteta  Maria Cristina que  viabilizou a doação do material ao AHPAMV, à bibliotecária  da Faculdade de Engenharia da UFRGS,Rejane Rataeski Moraes da Silva,que   realizou a pesquisa sobre o Cais numa biblioteca em reformas,e à bibliotecária da Superintendência do  Porto de Rio Grande,Gladis Rejane Moran Ferreira,que descobriu a mudança de nome de DPREC (Departamento de Portos,Rios e Canais)para SPH, possibilitando a localização das 500 plantas históricas do Cais.A todos estes, nossos agradecimentos em nosso nome e em nome dos pesquisadores que  têm, agora, acesso ao acervo cartográfico do projeto da construção do porto de Porto Alegre.
         






           








      

1 comentários:

jean marcelli disse...

Parabéns Rejane Rataeski.
Uma bibliotecária apaixonada pela profissão, nem mesmo com tantos contratempos e problemas, deixou de se dedicar a esse belíssimo trabalho.

Jean Marcelli

Postar um comentário

 

© 2009AHPAMV | by TNB